Baixista do Megadeth vira pastor e diz que “a música é um presente do Criador”
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Baixista do Megadeth vira pastor e diz que “a música é um presente do Criador”

  • 03 de abril de 2019
  • 0 Comentários

Presente no grupo desde 1983, quando foi formada a banda, David Ellefson, no entanto, só veio conhecer o Evangelho de Jesus Cristo muitos anos depois, após precisar iniciar um tratamento contra a dependência química, aos 25 anos.

Foi durante esse período que ele resgatou suas antigas raízes cristãs, herdadas da sua família, e começou a frequentar a Shepherd of the Desert Lutheran Church, uma congregação do Sínodo da Igreja Luterana-Missouri em Scottsdale.

Em 2000, David Ellefson entrou para o seminário teológico. Aquele foi o início do que viria a se tornar a MegaLife, nome dado à igreja que ele lidera até hoje como reverendo luterano. Ele explicou o motivo de ter dado esse nome à congregação, dizendo que é “parcialmente uma brincadeira do Megadeth”.

“Mas também é uma referência a um verso do Evangelho de João: ‘O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”, disse, segundo o Gospel Coalition.



Ellefson rechaça a ideia de que o rock seria do diabo, argumentando que a música, independente do gênero, é um produto da criação humana, que por consequência é criatura de Deus. Assim, o pastor roqueiro enxerga a música como uma expressão dos sentimentos humanos diante do mundo.

“A música é um presente do nosso criador e é por isso que ela se conecta a pessoas em todos os lugares, apesar de nossa humanidade, como linguagem, política, raça, credo e assim por diante”, disse ele em uma entrevista para  à revista Metalhead Forever em 2017.

“Essas coisas são o que nos definem como seres humanos, mas a música é o que nos define como criaturas criativas”, completa. “Biblicamente falando, a palavra nos diz que Deus ‘criou o homem à sua própria semelhança’. Então, com base nisso, somos criadores porque o nosso criador nos criou! Tudo faz parte do plano aqui”.

O rock como expressão de indignação
Outro ponto importante destacado por David Ellefson, que toca até hoje na Megadeth ao lado do guitarrista brasileiro Kiko Loureiro, foi a ideia de que todo metaleiro é um “satanista” ou algo do tipo.

O pastor explica que, na verdade, a maioria deles utiliza o heavy metal como uma linguagem para expressar suas indignações com o mundo, ao que ele mesmo fez um dia, até entender a necessidade de se encontrar com Cristo.

“Mesmo os artistas de black metal que queimaram igrejas estavam apenas presos ao pecado, tentando entender a condição humana, da mesma forma Eu estava preso ao pecado como viciado em drogas anos atrás, mas o bom Senhor pode nos libertar do mal e nos levar de volta a fazer o que ele queria que nós fizéssemos”, explicou.

“O heavy metal nunca causou os problemas do mundo… apenas refletiu os problemas que já existem no mundo”, destacou.

Não apenas Ellefson teve um reencontro com Deus, como também o fundador da banda Megadeth, Dave Mustaine. O baixista, no entanto, decidiu voltar sua vida para o Reino de Deus, fundando o ministério MegaLife, no Arizona.

 

Gospel+

Olá, deixe seu comentário para Baixista do Megadeth vira pastor e diz que “a música é um presente do Criador”

Enviando Comentário Fechar :/