Cristã norte-coreana descreve a terrível tortura que sofreu por sua fé
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Cristã norte-coreana descreve a terrível tortura que sofreu por sua fé

  • 19 de fevereiro de 2019
  • 0 Comentários

Na China, ela foi capturada e enviada para um campo de prisioneiros norte-coreano, onde passou um ano em confinamento solitário.

Quando ela chegou ao campo de prisioneiros, os guardas rasparam sua cabeça e a despiram. Todas as manhãs, quando a chamavam, saía de uma pequena porta - normalmente usada para cães ou gatos - e mantinha a cabeça abaixada porque não lhe era permitido fazer contato visual com os guardas.

Ela lembrou como, durante uma hora, os guardas lhe faziam as mesmas perguntas: “Por que você estava na China? Quem você conheceu? Você foi à igreja? Você teve uma Bíblia? Você conheceu algum sul-coreano? Você é cristã?”

Para permanecer viva, ela foi forçada a mentir: “Eu sou cristã? Sim. Eu amo Jesus. Mas eu tive que negar; se eu admitisse que fui ajudada por cristãos chineses, eu seria morta, agora ou depois”, disse ela. “Eles vão me matar nesta prisão norte-coreana. Todos os dias, sou espancada e chutada - dói mais quando batem nos meus ouvidos. Por causa disso, meus ouvidos zunem por horas, às vezes dias”.

Durante seu ano em confinamento solitário, ela ficou presa em uma cela fria e nunca viu a luz do sol ou outro prisioneiro: “Passei um ano na prisão e por um ano minha pele não tocou um único raio de sol”, disse ela.

Então ela orou e cantou uma canção que escreveu em sua cabeça - mas nunca pode cantar em voz alta: “Meu coração anseia por meu pai nesta prisão / Embora o caminho para a verdade é íngreme e estreito / Um futuro brilhante será revelado quando eu continuar.”

Trabalhos forçados

Por trabalhar 12 horas por dia, a “Prisioneira 42” ficou doente e teve que ir para outro lugar, um quarte. Lá, ela viu uma mulher orando em línguas debaixo de um cobertor.

“Dentro desta prisão norte-coreana, acabamos formando uma igreja secreta. Quando nos encontramos e nos sentimos seguros o suficiente, oramos a Oração do Senhor “, contou. “Ela era muito mais corajosa do que eu e falava com outras pessoas sobre Cristo também”.

Mas um dia um carro chegou e levou-a embora: “Quando a vi sair, soube que a levariam a um Kwan-li-segurança de máxima. Sabia que nunca mais a veria”, disse ela.

A “Prisioneiro 42" saiu da prisão dois anos. Ela disse ao Portas Abertas que a primeira coisa que ela planeja fazer é encontrar o marido e os filhos.

“Não nos vemos há anos”, ela disse. “Mas Deus cuidou de mim aqui nesta prisão norte-coreana, e eu oro e acredito que Ele também cuida da minha família a cada segundo de cada minuto de cada hora de cada dia. Eu preciso contar a eles sobre esse Deus amoroso”, acrescentou ela.

A Coreia do Norte tem sido a perseguidora número um dos cristãos na lista anual do Portas Abertas por 18 anos consecutivos. O Departamento de Estado dos EUA também incluiu a Coréia do Norte em sua lista de países que violam a liberdade religiosa todos os anos desde 2001.

 

O Porta Abertas estima que haja 250.000 norte-coreanos presos, 50.000 dos quais são prisioneiros políticos presos por sua fé cristã.

A Coréia do Norte já havia prendido missionários sul-coreanos e americanos por supostamente tentar construir igrejas subterrâneas, e pouquíssimos crentes norte-coreanos correm o risco de tentar ganhar conversos, dizem desertores.

 

Guiame 

Olá, deixe seu comentário para Cristã norte-coreana descreve a terrível tortura que sofreu por sua fé

Enviando Comentário Fechar :/