Evangelistas se dedicam a levar boas novas às prostitutas nas madrugadas
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Evangelistas se dedicam a levar boas novas às prostitutas nas madrugadas

  • 04 de junho de 2019
  • 0 Comentários

Os evangelistas formam um pequeno grupo e se reúnem duas vezes por mês na cidade de Richmond, estado da Virgínia (EUA) para percorrer um longo trecho de uma das vias locais conhecida como ponto de prostituição.

 
Eles anunciam o Evangelho às prostitutas e a quem cruzar com eles durante a caminhada, que começa no estacionamento de um restaurante fast-food por volta das 23h00. Antes de iniciar o trabalho, os voluntários se reúnem numa breve oração.

Ao longo da rua, repleta de motéis antigos e pátios de carros usados, o grupo chamado União Missionária da Mulher (WMU) leva 90 minutos caminhando ao longo do percurso, com os membros da equipe fazendo pequenas pausas para orar especificamente pelas mulheres e homens nas ruas e pela vizinhança em geral.

Em uma noite recente, um dos voluntários do ministério notou que um tiroteio havia sido relatado na área no início da noite. Alguns quarteirões depois, membros do grupo viram vários carros da polícia e uma ambulância estacionada em frente a um dos motéis. Em vez de dissuadir a equipe, a situação levou uma delas a parar e orar pelos envolvidos, inclusive orando pelo gerente do motel.

 
Valerie Carter Smith, diretora executiva da União Missionária da Mulher da Virgínia, organizou o ministério de rua há mais de uma década, enquanto trabalhava em uma congregação local. Pat Eggleston, uma das voluntárias, juntou-se ao ministério alguns anos depois, ajudando a coordenar e liderar o esforço voluntário.

Pat, uma avó de fala mansa e cabelos brancos, não combina com a imagem de alguém que estaria andando pelas ruas da zona de prostituição de Richmond à meia-noite ou à 01h da manhã. Mas ela vê isso como uma vantagem: “É óbvio que eu tenho alguns anos atrás de mim. Gostaria apenas de dizer que a idade às vezes é uma oportunidade maravilhosa”, observou ela.

“Eu sou obviamente a avó de alguém e sou capaz de abordar as pessoas dessa maneira. Muitas vezes há pessoas que pensam que eu sou velha demais para fazer certas coisas, mas nós temos que usar as vantagens que temos. Deus deu à velhice uma vantagem real, e acredito que temos que usar isso”, acrescentou ela, em depoimento à agência Reuters,

Oferecendo esperança
À medida que os voluntários do ministério fazem conversas com moças e rapazes que passam nas ruas, “acabamos de encontrá-los onde estão”, observou Pat, enfatizando que eles procuram transmitir um senso de dignidade pessoal e autoestima para aqueles que lutam em meio a circunstâncias e escolhas difíceis.

“Esta é uma oportunidade muito improvisada. Cada pessoa injeta sua própria personalidade baseada em como o Espírito nos conduz à pessoa que encontramos”, disse ela. “Minha introdução geralmente é: ‘Oi, como você está esta noite? Você está segura? Somos da igreja e gostaríamos de ter um minuto e conversar com você. Há algo sobre o que possamos orar com você?’”, explicou.

Enquanto os voluntários observam os sinais de pessoas sendo traficadas, “a maioria dos jovens que conhecemos aqui são viciados em substâncias”, disse Pat. “A maioria deles está aqui por causa de seu vício em drogas e estão se prostituindo para ganhar dinheiro”.

“Nosso objetivo é ser sal e luz para um mundo escuro. É um estilo de vida muito perigoso. Nós vamos lá casualmente conhecer pessoas, falamos com eles, oferecemos oração. Nosso objetivo é oferecer-lhes esperança, oferecer recursos”, contextualizou a avó evangelista. “Muitos desses jovens realmente querem sair. Eles não queriam começar. Muitos estão procurando uma saída”.

“Nós não vamos castigar ninguém. Não estamos lá para julgar ou oferecer correção. Estamos lá apenas para erguê-los em oração e amá-los, pegar suas mãos, abraçá-los, qualquer que seja a oportunidade que venha a nós”, reiterou Pat.

Contando uma lembrança dolorosa de ministrar em um ambiente tão duro, Pat Eggleston descreveu sua visita final com um jovem que ela conhecera. Ela disse que parou o carro, abaixou a janela e perguntou: “‘Você está bem esta noite?’ Sua resposta foi: ‘Apenas ore por mim'”. Duas semanas depois ele foi assassinado.

“É um lugar muito escuro. É muito perigoso”, disse ela. “Mas nós amamos eles, nós amamos as pessoas que encontramos. Eles estão procurando por esperança … Eu sinto que nosso testemunho é através do que eles nos ouvem orar. Nós não vamos ensiná-los, mas quando eles nos ouvirem ore por eles e os levante ao Senhor, esperamos que coloque esperança em seus corações e que eles sintam a graça de Deus e a graça e amor que lhes oferecemos”.

Perseverança
Quando as sirenes soaram no fundo, Valerie Carter Smith parou para cumprimentar uma das jovens prostitutas que estavam na rua, “Ei, querida, como você está?”, ela perguntou. “Tenha cuidado, ok?”, recomendou.

Enquanto a mulher continuava seu caminho, Valerie explicou: “Oramos pelo que chamamos de compromissos divinos, perguntando: ‘Deus, com quem temos que compartilhar?’ Eles não precisam ser os que são apanhados na prostituição, falamos com qualquer pessoa que passamos”.

“O significado está nas parábolas nos evangelhos da ovelha perdida, do filho perdido e da moeda perdida”, observou ela. “Nosso objetivo é compartilhar Jesus com as pessoas que são apanhadas. Essas garotas tomam uma decisão ruim ou algo aconteceu a elas que as levaram mais longe do que elas queriam ir e voltar é uma ‘outra história’ completa”.

Entre suas ferramentas de ministério, os voluntários distribuem luvas no inverno e garrafas de água no verão. Eles também distribuem pequenos panfletos que fazem um questionamento: “Você quer sair?”. Os panfletos discretos fornecem números de linha direta para recursos como aconselhamento, programas de recuperação de 12 etapas, alojamento de transição e um abrigo de emergência, bem como informações pessoais de contato de Valerie.

“Se eles ligarem para o meu número, eu os acompanho até o fim. Eu não os deixo ir”, disse ela, que se dedica a atualizar os voluntários e outros membros da WMU sobre as necessidades e vitórias ao longo do caminho. “Eu vi garotas se recuperando de drogas e prostituição porque as mulheres da WMU oraram por elas”, celebrou.

Compartilhando as boas novas
Embora resultados tangíveis como as profissões de fé, resgatar garotas menores de idade nas ruas ou ajudar dependentes químicos tenham sido limitados ao longo dos anos, Valerie segue otimista: “Deus falou e disse: ‘Seu chamado é estar nas trincheiras. Seja luz na escuridão, para ser obediente a isso’. Este é meu chamado. Estou aqui para compartilhar as boas novas do Evangelho de Jesus Cristo”.

Pat Eggleston concordou que a motivação não é baseada em resultados visíveis: “É um ministério em que você tem que estar satisfeito por não saber se fez a diferença. Você tem que ser capaz de saber que eu posso nunca mais ver essa pessoa, mas eu tenho dois ou três minutos, talvez, para amá-los, para colocar algo encorajador em seu coração”.

“Acredito que estamos plantando uma semente. Nós nos vemos frequentemente como os primeiros a responder. Nós os amamos, oramos com eles, oramos por eles e oramos para que Deus coloque outra pessoa em seu caminho. Somos apenas parte de uma série de contatos porque é um encontro muito breve. Isso não é confortável para todos”, disse Pat. “Somos uma espécie de pessoas orientadas para resultados, então você tem que estar satisfeito com isso. Você faz a sua parte e então Deus cuida do resto”, concluiu.

 

Gospel Prime 

Olá, deixe seu comentário para Evangelistas se dedicam a levar boas novas às prostitutas nas madrugadas

Enviando Comentário Fechar :/